Rua do Saco

Janeiro 07 2011

Custa-me ver a campanha eleitoral para a Presidência da República convertida numa mera “campanha do vale tudo”.

 

Acho que os candidatos deviam ter a preocupação de manter um nível mínimo de dignidade na sua postura, nos seus argumentos, nas suas atitudes, e que deviam transmitir essa preocupação aos seus mandatários, seguidores e apoiantes.

 

É vulgar ouvir os candidatos fazerem profissões de fé, assegurando que o importante é debater ideias e princípios, evitando os ataques pessoais.

 

Concordo em absoluto!

 

Acho, no entanto, que o passado dos candidatos não pode ser ignorado quando está em causa a eleição para Chefe do Estado.

 

Estou consciente de que ter sido refractário ou desertor constitui, neste Portugal democrático, um atributo e um argumento a favor de uma carreira política de sucesso.

 

Vem isto a propósito de ter ouvido na televisão o candidato Alegre afirmar que a sua vida é cristalina, transparente, sem segredos.

 

Ainda bem!

 

Não gosto de falar do que não sei, e muito menos de acusar alguém sem provas. Mas há factos que são do domínio público, e que não são desmentidos pelo interessado.

 

O candidato Alegre não foi refractário nem desertor. Isso ele já esclareceu. Que esteve preso durante o seu serviço militar parece também ser um facto. Convinha que se esclarecesse por que causas e em que circunstâncias, assim como as circunstâncias que envolveram a sua passagem à disponibilidade.

 

Mas onde não há dúvidas é que depois disso, se pôs ao serviço do inimigo dos seus compatriotas.

 

Traiu os seus!

 

Não foi refractário. Não foi desertor. Foi traidor!

 

E não há nada mais vil que a traição!

 

Em que País é possível que um traidor se arrogue a pretensão de vir a ser Chefe do Estado e Chefe Supremo das Forças Armadas?

 

Chegou a tanto a nossa crise de valores?

 

A candidatura do candidato Alegre é uma afronta a toda uma geração que, certamente com dúvidas, mas com generosidade e com honra, pôs os melhores anos da sua juventude ao serviço da sua Pátria!

 

A candidatura do candidato Alegre é um insulto à memória dos que não regressaram!

 

O agora candidato, terá feito, à época, a opção que a sua consciência ditou. Foi a sua opção. Mas essa opção retira-lhe o fundamento moral para esta candidatura.

 

O Povo é sábio.

 

Eu confio no Povo.

 

Eu tenho fé que o Povo, a que pertencem os que ele traiu, lhe dê uma humilhante derrota!

publicado por jpargana às 22:54

Este blog é uma colectânea de reflexões do autor sobre temas de interesse geral e da sociedade e ambiente que o rodeiam.
mais sobre mim
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


links
pesquisar
 
blogs SAPO