Rua do Saco

Janeiro 24 2010

Tenho 71 anos de idade.

 

Desde miúdo, toda a gente me disse que poupar é uma virtude. O meu Pai ensinou-me “que não devia estender o pé para além do lençol”. Acreditei nele e segui sempre o seu conselho. Ao longo da vida fui ouvindo que poupar era a forma mais segura de manter na velhice a qualidade de vida a que me habituei enquanto trabalhei. Acreditei.

 

Sempre me apavorou a perspectiva de ser, na velhice, um fardo para a família ou para a sociedade.

 

Nunca fui a Cancún nem à República Dominicana. Nem de férias ao Brasil, pagas a suaves prestações.

 

O meu carro não tem GPS. Aliás, todos os carros que tive, tiveram que me servir mais de cinco anos, apesar de comprados em segunda mão.

 

Quis a sorte que eu herdasse um nome respeitado e um pequeno património. Procurei ser digno desse nome e honrá-lo, e respeitar esse património, investindo na sua conservação. Poupei e investi, melhorando e aumentando esse património.

 

O meu Pai dizia-me que era minha obrigação deixar aos meus filhos mais do que ele me deixava a mim. Acreditei. E procurei seguir o seu ensinamento.

Toda a minha vida poupei.

 

Fui enganado!

 

Afinal, poupei para quê?

 

Para pagar impostos!

 

Já tive que resgatar os meus PPR para pagar impostos e vou ter que vender património para continuar a pagá-los.

 

Quando as pessoas como eu tiverem resgatado todos os seus PPR e vendido o seu património, pergunto: a quem vão ser aumentados os impostos?????

publicado por jpargana às 18:50

Este blog é uma colectânea de reflexões do autor sobre temas de interesse geral e da sociedade e ambiente que o rodeiam.
mais sobre mim
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22

25
26
28
29
30

31


links
pesquisar
 
blogs SAPO