Rua do Saco

Maio 15 2010

Sempre gostei muito do Figo.

 

Exceptuando uma birra (?) que julgo que ficou mal explicada (o que talvez ateste o estilo de sobriedade e discrição do jogador), quando declarou não mais jogar na Selecção, voltando depois atrás com essa decisão, considerei-o sempre uma figura de referência naquela Indústria.

 

Uma postura discreta, serena, carismática, que se afirmou como exemplo para os mais jovens, Capitão indiscutível de uma Selecção de grandes valores.

Isso, a par de uma vida pessoal e familiar que soube sempre proteger de forma exemplar.

 

Considerei-o sempre uma figura que dignificava a sua profissão.

 

Os adeptos do Barcelona chamaram-lhe “pesetero” aquando da sua transferência (julgo que a mais cara, ou das mais caras, até então) para o Real Madrid.

 

Não acho que tenham razão. É um negócio normal naquela indústria. Ele e a sua organização têm o dever de fazer o melhor e de ganhar o mais possível numa profissão necessáriamente efémera.

 

Mas com dignidade. Com jogo limpo. Sem batota.

 

Por favor: esperar que alguém acredite que o pequeno-almoço com um candidato a Primeiro-ministro, na véspera das eleições, rodeado de comunicação social, se deveu a uma atitude pessoal e generosa e a uma feliz coincidência, e não a uma contrapartida “por debaixo da mesa” ?!?

 

É, de facto, obsceno.

 

Não havia necessidade!

publicado por jpargana às 15:00

Maio 15 2010

Não tenham pena do Rui!

 

Ele sabia que isso de ser Administrador da Portugal Telecom aos trinta e poucos anos, com uma carreira meteórica de ultrapassagem de muitas outras pessoas muito mais capazes, experientes e qualificadas, tinha um preço.

 

Não era de borla. E ele devia sabê-lo. Devia saber ao que ia. É o mínimo que ele tinha que saber.

 

Não tem que queixar-se.

 

O papel do “boy” é servir o seu “Boss” sem hesitações e em todas as situações, e, se algo correr mal, pôr a cabeça no cepo, protegendo-O e sacrificando-se em Seu lugar.

 

São essas as regras. É esse o preço.

 

Mas não tem que queixar-se por outras razões:

 

Será julgado? E será condenado?

 

A ver vamos.

 

Seja como for, o pé-de-meia que encaixou em remunerações e bónus durante o período em que foi Administrador (sabe-se lá como) em várias empresas participadas pelo Estado (certamente muito mais do que alguma vez pode ter imaginado), permite-lhe encarar o futuro com optimismo.

 

Com muito mais optimismo, certamente, do que se tivesse que fazer uma carreira a pulso, baseada no reconhecimento da sua competência e do seu mérito profissional.

 

Valeu a pena.

 

Como diria aquele pescador de Alvôr:”- A pesca dele tá fêta!”

 

E depois, daqui a algum tempo, quando a poeira assentar, aparecerá emboscado no Conselho de Administração de alguma outra empresa pública ou de capitais maioritariamente públicos ou onde o Estado tenha alguma golden share ou outra forma de controlo (vide o seu colega João Carlos Silva, depois da brilhante presidência da RTP. Quantos mais haverá?).

 

Não tenham pena do Rui!

 

.

publicado por jpargana às 13:08

Este blog é uma colectânea de reflexões do autor sobre temas de interesse geral e da sociedade e ambiente que o rodeiam.
mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO