Rua do Saco

Junho 11 2013

Gosto muito dos comentários do Dr. Gomes Ferreira na SIC sobre questões económico-financeiras. Não os perco, por nada.

 

São notáveis, pela sua clareza, e entendíveis por quem como eu, tem conhecimentos de economia que não enchem, em letra de tamanho normal, a mortalha de um cigarro.

 

Além disso, não buscam o politicamente correcto, razão mais que suficiente para que eu tenha por ele o maior respeito e admiração.

 

Ontem (10 de Junho de 2013), após afirmar que muito do trabalho de ajustamento que tanto nos aflige e atinge, mas que considera necessário e inevitável, já está feito e que os resultados não tardarão a aparecer (!declarações perigosas!), contou a história do colono Português que mandou um seu empregado indígena derrubar uma árvore.

 

Para quem não a ouviu, ou não a conhece, vou contá-la:

 

Como já disse, o colono ordenou ao seu empregado indígena que derrubasse uma árvore fortemente enraizada.

 

O empregado muniu-se de picareta, pá e enxada, e começou a trabalhar.

 

Passados muitos dias, o estupor da árvore ainda resistia, apesar do esforçado trabalho do homem. A árvore tinha uma raíz bem agarrada ao solo e resistia, enquanto o colono manifestava a sua impaciência com insultos e impropérios.

 

Ao fim de muitos mais dias, com o trabalhador já exausto, a árvore ainda continuava, surpreendentemente, de pé, perante a insistente, atenta e expectante observação  do patrão.

 

Em dada altura o colono decidiu que era o momento, e dirigiu-se ao empregado:

 

       -Saí dai! És um incompetente, um inútil, não serves mesmo para nada! Eu mesmo vou fazer o trabalho!

 

Dirigiu-se à árvore e com um pequeno movimento do braço, empurrou-a, sem esforço.

 

A árvore caiu!

 

Não tenho grande tendência para o optimismo, Sou mesmo dos que pensam que, se há uma luz ao fundo do túnel, ela pertence certamente a um combóio que vem na nossa direcção.

 

Sou assim, que hei-de fazer? Acho sempre que se a situação pode ser pior, ela vai mesmo ser pior|

 

Posso estar a interpretar mal, mas leio no comentário de ontem do Dr. Gomes Ferreira uma ponta de optimismo.

 

Oxalá!

 

Eu também vejo no horizonte alguns sinais!

 

Sem esquecer que eu sou o tal cujos conhecimentos de economia cabem, escritos em letra de tamanho normal, numa mortalha de cigarro, vejo no horizonte alguns sinais:

              

-de uma forma geral, as reacções dos mercados e as taxas de juro da dívida pública.

 

-o comportamento e a evolução das bolsas que, é sabido, antecipam os ciclos económicos.

 

-a ânsia dos “socialistas” em fazer o Governo demitir-se e tomar o seu lugar

       

(?cheira a dinheiro, ou a possibilidade de mais endividamento e esbanjamento?)(?será que a árvore já sai só com um toque?).

 

Escrito em 11 de Junho de 2013 por João José Gonçalves Pargana, reformado e pensionista, ex-membro da classe média em extinção.

 

 

 

 

 

publicado por jpargana às 21:56

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Este blog é uma colectânea de reflexões do autor sobre temas de interesse geral e da sociedade e ambiente que o rodeiam.
mais sobre mim
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO